Notícias

Publicado em 7 de agosto de 2017 | por Nosso Jornal BM

Cientistas próximos da cura para o resfriado

Pesquisadores acreditam ter avançado na busca pela cura do resfriado.

De acordo com cientistas da Universidade Edinburgh Napier, na Escócia, o tratamento poderia ser desenvolvido com base em peptídeos antimicrobianos, biomoléculas presentes naturalmente no sistema imunológico de seres humanos e animais.

A equipe observou como essas substâncias aumentam a resposta natural do organismo à infecção por rinovírus – principal vírus responsável pelo resfriado comum.

Durante o estudo, os cientistas sintetizaram peptídeos antimicrobianos encontrados em porcos e ovelhas e avaliaram seu impacto em células pulmonares infectadas por rinovírus.

Os peptídeos atacaram o vírus com sucesso.

Os pesquisadores acreditam que esse resultado pode fornecer pistas para o desenvolvimento de novos tratamentos para o resfriado à base em peptídeos encontrados na natureza.

“Essa é uma descoberta animadora. Nossos próximos passos serão modificar o peptídeo para torná-lo ainda mais eficaz para matar esse vírus”, afirma Peter Barlow, professor associado de imunologia e infecção da universidade escocesa.

“A pesquisa ainda está nos estágios iniciais, mas nós vamos, em última análise, tentar desenvolver medicamentos para tratamentos que possam curar o resfriado comum”, acrescenta.

A descoberta de um tratamento eficaz para o resfriado pode ajudar pacientes portadores de doenças pulmonares mais graves, como asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), para quem as infecções virais podem representar um alto risco para a saúde.

“Não há cura e não há vacina. Portanto, o desenvolvimento de tratamentos eficazes para o rinovírus humano, principal agente causador do resfriado comum e uma das causas mais comuns de infecções virais do trato respiratório, é algo urgente”, completa Barlow.

“Esse estudo representa um passo importante para encontrar um tratamento.”

Pesquisas realizadas anteriormente pelo professor Barlow destacaram ainda o potencial dos peptídeos antimicrobianos no combate ao vírus influenza A, causador das gripes.

O último estudo foi financiado pelo Chief Scientist Office e pela instituição de pesquisa médica Tenovus Scotland.

Foto: Divulgação

Tags: , , ,


Sobre o autor



Back to Top ↑
  • Publicidade

    nossojornal

  • Edição Digital

    Jornal Edição Novembro 2017

  • Facebook

  • Publicidade

    nossojornal